Esse Mundo é Nosso Turistando

Europa Eslava pela ótica de Kika Mamede

kika mamede
Alma Baiana
Escrito por Alma Baiana

Europa Eslava

Se há 20 anos, alguém dissesse que iria fazer turismo na Iugoslávia, certamente isso causaria espanto. Depois de ter sido palco de muitas guerras e conflitos, o antigo país eslavo dividiu-se em cinco nações: Eslovênia, Sérvia, Bósnia, Montenegro e Croácia.

Com o fim dos conflitos e com a integração à comunidade europeia, essa região transformou-se em um dos destinos mais procurados pelos turistas no mundo, proporcionando aos visitantes uma experiência rica em cultura, história e beleza natural como pouco se vê em outros lugares.

Tudo isso ocorreu há pouco mais de uma década, quando o país criador da gravata, a Croácia, tornou-se a segunda economia mais forte da região balcão, ficando atrás apenas da Grécia.

A proximidade desses países, nos permite circular em pouco tempo por diversas paisagens diferentes.

Então, assim que surgiu uma oportunidade, embarquei para essa viagem. Vou contar um pouco dessa experiência.

 

A viagem vai começar…

Iniciei minha viagem por Zagreb, capital da Croácia. Não é a mais famosa nem a mais bonita, mas não deixe de fazer um tour a pé pelo centro da cidade, onde se encontram a Catedral da Assunção da Virgem Maria, o Parlamento e outros prédios importantes. Zagreb abriga uma “cidade velha” medieval encantadora, com praças e ruas que lembram Praga e outras capitais da Europa Central.

Com três mil quilômetros de costa, a Croácia tem algumas das mais belas praias da Europa e centenas de ilhas. A mais famosa é Hvar, com seus resorts, praias exuberantes de águas transparentes, muita badalação e restaurantes que servem o melhor da gastronomia croata. É considerada a nova Ibiza dos europeus.

Os passeios pelas ilhas são imperdíveis! Alugue um barco e saia pela Pakleni Otoci, onde encontramos restaurantes com puffs espalhados nas praias quase desertas. Salada de polvo e belas lagostas são típicas e servidas a preços baixos! Ao pôr do sol, iates luxuosos se aproximam dos piers para o agito da noite.

Para chegar nesse cenário paradisíaco é necessário pegar um ferry, que sai de Split, onde vale muito a pena passar pelo menos uma noite. Patrimônio Cultural da Unesco desde 1979, Split abriga as ruínas romanas do Palácio do Imperador Diocleciano que fica no centro da cidade. Ao seu redor você encontra artesanato e produtos típicos da Dalmácia, como enfeites de lavanda, vinho e azeite de oliva. Além de lojas charmosas e bares com vista para o mar Adriático.

A mais famosa de todas as cidades da Dalmácia é Dubrovinick. Um museu a céu aberto. Nascida no Século 7 com o nome de Ragusa, era um povoado formado por pescadores que, para se protegerem dos eslavos que saqueavam as aldeias Balcãs, construíram muralhas.

DUBROVNICK

O lugar sofreu um forte terremoto em 1667 e foi duramente prejudicado por bombardeios na guerra de 1991. Mais de 2 mil bombas e mísseis foram lançados sobre a cidade. Apesar de tudo, ela renasceu ainda mais bela. Conseguiu manter sua graça entre muros magníficos, igrejas góticas, renascentistas e barrocas, monastérios, palacetes e fontes, num astral absolutamente acolhedor. E, como não podia ser diferente, Dubrovnik foi declarada em 1979 Patrimônio Mundial da Unesco.

A “pérola do Adriático”, é uma das mais belas cidades do Mediterrâneo. Com toda a sua imponência medieval de pedras e com águas azuis transparentes, é o lugar o preferido dos turistas, ainda mais nos últimos quatro anos, quando a cidade passou a ser palco de uma das séries de maior sucesso na TV mundial: Game of Thrones. É lá que são filmadas todas as sequências de Porto Real, capital de Westeros. Lá também encontramos a farmácia mais antiga do mundo! Até hoje eles fabricam remédios e cosméticos de forma artesanal e dizem ser poderosos. Comprei um antirrugas para experimentar.

No verão, com o calor intenso, passear de barco e curtir as praias é a melhor opção. Ao entardecer, todos se encontram nas muralhas, onde muitas mesas expostas, artistas de rua, músicos e muita gente bonita te esperam. Sim, os croatas são muito bonitos e, apesar de sua história sofrida, são alegres e receptivos.

Você poderia conhecer Dubrovnick em um dia, mas, com certeza, isso seria um pecado. Por isso, reserve no mínimo três para desfrutar desse paraíso e aproveite para visitar regiões vizinhas, como Medjugorge, famoso santuário mariano na Bósnia. Dá para ir e retornar no mesmo dia.

Para finalizar esse roteiro, vá a Montenegro. Um dos países mais jovens do mundo, com apenas nove anos de independência. Nossa visita segue para Kotor, linda cidade-murada, construída pelos venezianos. Sua construção exótica que escala as montanhas, a exuberante baía e os fascinantes fiordes tornam esse lugar parada obrigatória.

A viagem continuou pela Eslovênia. Uma estrada belíssima até a capital Ljubljana. Esse foi um dos pontos altos do roteiro, uma grande surpresa! Cidade pequena, mas, muito charmosa. Cortada ao meio pelo rio Lublianica, suas pontes e canais proporcionam uma paisagem belíssima. Passear pelos canais ou sentar-se à beira deles e tomar um Most, vinho jovem típico da região, ao som de artistas de rua, foi um programa delicioso.

Ainda tem mais! E foi exatamente por isso que esse país me encantou. Há 40 minutos da capital, cheguei em Bled, onde encontrei seu famoso lago de cor de esmeralda com uma ilhota que abriga a igreja barroca de Santa Maria. Reza a lenda que temos que fazer um pedido e pendura-se em uma corda badalando o sino três vezes… Claro que fiz! O acesso à ilha é bem pitoresco por conta da preservação ambiental. Motores são proibidos. Somos conduzidos por remadores donos dos seus próprios barcos, que são conservadíssimos e mais se parecem gôndolas.

lago blend

Para encerrar minha visita, lá no alto, em cima dos Alpes Julianos, avistamos o Castelo de Bled. Após subir alguns degraus, me deparei com uma das paisagens mais lindas que já vi nessas minhas caminhadas pelo mundo. Alpes e florestas verdejantes refletindo no lago. Uma verdadeira pintura.

No dia seguinte, fui surpreendida por mais dois lugares indescritíveis: Postojna e Predjama.

Ainda circulando de carro, peguei a estrada até a cidadezinha de Postojna, onde encontra-se a caverna que leva o mesmo nome da cidade. Logo na entrada, um complexo de lojinhas, cafeterias e restaurantes revela a importância desse monumento da natureza, um dos lugares mais visitados e cartão postal da Eslovenia. São 21km de estalactites e estalagmites de diversos tamanhos, formas e cores, formados há milhares de anos. Mas, apenas 5Km são abertos ao público. São salões e mais salões que conhecemos andando em um trenzinho ou a pé, culminando em uma exuberante galeria onde apresentam-se orquestras sinfônica pela perfeição de sua acústica. Infelizmente as fotos tiradas não reproduzem a grandiosidade desse lugar.

postojna

Próximo dali, visitei Predjama, um castelo cravado em uma rocha que, durante muitos anos, foi esconderijo de Erasmus, um Robin Hood da época. Talvez uma das construções mais originais que já vi. Frio e assustador, dizem que é mal assombrado. Tive essa sensação ao passar pela sala de tortura. Assim encerrei minha visita à fascinante Eslovênia.

Dicas importantes:

– Reserve 10 dias de suas férias para circular entre Croácia, Eslovênia e Montenegro.

– Todo esse roteiro pode ser feito de carro.

– A moeda da Eslovênia e de Montenegro é o euro, mas da Croácia continua sendo kuna.

– Escolha o verão para fazer essa viagem. Só assim poderá curtir as praias.

– Não deixe de comprar as frutas cristalizadas, azeites de oliva e todo tipo de artesanato com lavanda. São excelentes lembranças.

– Planeje seu roteiro com antecedência e boa viagem!

 

 

Sobre o Autor

Alma Baiana

Alma Baiana

O acontece de interessante na Bahia, cultura, sociedade, arquitetura, decoração, gastronomia, moda e entretenimento. E muito mais!!

Faça um comentário