Alma News

Divulgados os 50 filmes selecionados para o 7º Festival de Cinema Baiano

Alma Baiana
Escrito por Alma Baiana

O 7º Festival de Cinema Baiano (FECIBA) divulgou hoje (19) a lista dos 50 filmes que serão exibidos na edição deste ano. Serão 10 longas, 10 médias e 30 curtas-metragens produzidos por baianos nos últimos cinco anos, ampliando o público para essas produções e fortalecendo o cinema do estado.

Os filmes escolhidos foram produzidos entre 2016 e 2021, exatamente durante os cinco anos em que a Bahia ficou sem o FECIBA. Entre as 190 obras inscritas, estão 149 curtas, 24 médias e 17 longas-metragens. A maioria é do gênero ficção e documentário, mas há também animações e filmes híbridos. Os realizadores que tiveram seus filmes selecionados também integrarão a programação das lives/debates do evento.

O produtor executivo e diretor artístico, Edson Bastos, ressalta que é uma tarefa muito difícil escolher os filmes que vão participar de um evento, pois sempre algumas obras muito boas ficam de fora. “Mas a curadoria do FECIBA fez um excelente trabalho. Uma equipe diversa e competente que se dedicou durante dias de visionamento e horas de diálogos intensos para chegarem ao resultado dos 50 filmes que vão fazer parte desta edição do festival”, reitera.

O tema deste ano “Dentro de casa, asa”, reflete bem o que o público poderá esperar das mostras deste FECIBA. Devido à pandemia da COVID-19, a programação deste ano será totalmente online, além de gratuita, incluindo as mostras, quatro oficinas e 20 lives/debates. A programação acontece de 15 a 26 de março.

 

Os 50 filmes do 7º FECIBA

Longas-metragens

Abraço, de DF Fiuza (Salvador)

Àkàrà no fogo da intolerância, de Claudia Chávez (Salvador)

Anjos de Ipanema, de Conceição Senna (Rio de Janeiro)

Diários de Classe, de Maria Carolina da Silva e Igor Souza (Salvador)

Dorivando Saravá, O Preto que Virou Mar, de Henrique Dantas (Salvador)

Memórias Afro-Atlânticas, de Gabriela Barreto (Salvador e Cachoeira)

O poeta da saudade – Humberto Porto, de Laís Nogueira, Lucas Pondé e Luísa Alvim (Salvador)

Qual a cor do trem?, de Rodrigo de Carvalho Oliveira e Deniere Rocha Silva (Salvador)

Sol da Bahia, de Orlando Senna (Salvador)

Tudo Tem um Tempo, de Sabrina Alves Mendes (Caetité e Livramento de Nossa Senhora)

 

Médias-metragens

A encruzilhada, o cruzeiro e um pé de chinelo: crônica de uma guerra, de Plínio Gomes (Senhor do Bonfim – Salvador)

Acervo Zumvi –  O Levante da Memória, de Iris de Oliveira (Salvador)

Cá Te Espero no Tumbenci – Saberes e Fazeres, de Paula Almeida (Salvador)

Devir- Um desvario profundo, de Coletivo Nosotras (Salvador e Canavieiras)

E agora, Maria?, de Bruna Maria e Camila Gregório (Cachoeira )

Entre o céu e o subsolo, de Felipe da Silva Borges (Salvador)

Festa de Iemanjá, de Fabíola Aquino (Salvador)

Gbagbe – Árvore das Memórias, de Nando Zâmbia (Alagoinhas e Salvador)

Memórias de um povo, de Maria Abade e Mariane Silva Santos (Cachoeira)

Nuas & Cruas, de Mariana Ayumi (Salvador)

 

Curtas-metragens

5 Fitas, de Heraldo de Deus e Vilma Martins (Salvador)

Aldeia do Cachimbo, de Sebastián Gerlic (Aldeia do Cachimbo / Ribeirão do Largo)

Aquenda, de Florisval Neto (Ilhéus/Itabuna) 

Como Um Peixe Fora D’água, de Arthur Lombriga (Salvador)

Dela, de Bernard Attal (Itaparica)

Distopia, de Lilih Curi (Salvador)

Eu não vou ao enterro de painho, de  Leandro Lopes (Conceição do Coité)

Experimente a Noite com Drags Amapôs, de Eduardo Bastos e João Lima (Salvador) 

LU-MEN, de André Ottero e Murilo Rocha (Eunápolis e Coroa Vermelha)

Manual como Conter uma Raça Poderosa, de Marcelo Ricardo e Vagner Jesus (Salvador)

Maratonista de Quarentena, de Eduardo Tosta e Karol Azevedo(Salvador)

Marvin.gif PART II, de Marvin Pereira (Cachoeira)

Meia lata d’água ou lagarto camuflado, de Plínio Gomes (Salvador)

Nigiro: Meu nome, minha ancestralidade, de Assaggi Piá (São Francisco do Conde)

O Abebé Ancestral, de Paulo Ferreira (Babalossain Aláramó) (Ilhéus)

O barro não morre na comunidade salgado, de Emerson Santos(Bio)  (Povoado Salgado- Andorinha/BA)

O Fantasma de Glauber Rocha, de L. H. Girarde (Vitória da Conquista)

O Que Ficou de Quem se Foi, de Rogério Vilaronga (Salvador)

O retratista, de Gean Almeida e Jaitan Almeida (Feira de Santana)

Olhos de Cachoeira, de Adler Kibe Paz (Comunidade de Coqueiros, na região do Recôncavo Baiano)

Onde Tem Índio Tem Floresta, de Fausto Junior (Salvador)

Os Porcos e a Reza, de Rogério Luiz Oliveira (Jequié, Bahia)

Pele Manchada,  de Victor Mota  (Salvador)

Porto e Raiz, de Pâmela Peregrino (Porto Seguro)

Rebento, de Vinicius Eliziário (Salvador)

Redundância, de Wayner Tristão (Juazeiro)

Reisado, de Dan Victor e Valmir Barreto (Araci)

Ruas da discórdia, de Gean Almeida (Feira de Santana e Salvador)

Sobre nossas cabeças, de Susan Kalik; Thiago Gomes (Salvador)

Vander, de Barbara Carmo  (Cachoeira)

Sobre o Autor

Alma Baiana

Alma Baiana

O que acontece de interessante na Bahia: cultura, sociedade, arquitetura, decoração, gastronomia, moda, entretenimento e muito mais!

Faça um comentário