Turistando

Jammin’Juan agita o outono de Antibes/Juan-les-Pins, na França

Alma Baiana
Escrito por Alma Baiana

Graças ao jazz, que é o seu ícone desde 1960, Juan-les-Pins recebe no seu Palácio de Congressos, neste momento, e até sábado, a 4a edição do Festival Jammin’Juan. Juan é um balneário da Costa Azul, à beira do Mediterrâneo, no sul da França, e pertence à cidade de Antibes/Juan-les-Pins, famosa pelas praias e pelo seu rico Centro Histórico com o Museu Picasso, por exemplo.

No verão, pega fogo até alta madrugada, sobretudo em julho, com a realização, há 61 anos, de um dos maiores festivais de jazz do mundo, o Jazz à Juan, palco para grandes nomes do mundo todo. Agora, é outono, baixa estação, e também por isso foi criado há poucos anos, o Jammin’Juan, organizado pelos ofícios de turismo de Antibes e Juan-les-Pins.

Era a vitrine que faltava na programação cultural da cidade para revelar ou fazer descobrir os emergentes talentos da cena off do jazz. A maioria são artistas de vários países que se apresentam ao longo do ano em Paris e outras cidades, para um público cult, em espaços menores, como cafés-teatros e casas de jazz. Em Juan, durante quatro dias, encontram também as gravadoras e a mídia, além do público fiel ao gênero.

Na abertura, a cantora franco-togolesa Laura Prince, apresentou seu álbum Peace of Mine, do qual a música “Amazônia”, composição dela com o pianista martiniquense Gregory Privat, arrancou aplausos engajados, além de canções pop-românticas com pegada jazzística (www.lauraprincemusic.com), todas em inglês.

Laura Prince (en)cantou com músicas do CD Peace of Mine

Entre os 30 grupos programados, estão Abraham Réunion, Baiju Bhatt & Red Sun (www.baijubhatt.com/red-sun), Robinson Khoury (que apresentou seu primeiro álbum Frame of Mind), François Poitou Quintet, Sébastien Farge Quartet com o CD “Origines” (www.musicart-grasse.fr), Laura Prince, Mélodie Gimard, Neffertiti, Akagera, Rouge, Los Aurora, Igor Gehenot, Amine Mraihi, The Machetazo, Henry Spencer & Juncture, Dexter Goldberg Trio, Yusan, Christophe Imbs, Jemm Music Project, David Amar Trio, Antiloops, Ornicar, Nathan Mollet Trio, Mathias Lévy, Guillaume Perret, Stracho Temelkovski, Time’s Tim Dahan Trio, Half Easy Trio, Tele-Port, Host Kos.

No sábado, o som latino-americano ficará com o jazz afro-cubano do Mansfarrol & Campana Project, em apresentação big band em homenagem a Dizzy Gillespie, “Dizzy, El Afrocubano”; e o trio do baixista uruguaio Vladimir Torres com Martin Schiffmann no piano e Tom Moretti na bateria.

O grupo Abraham Réunion é uma família ligada pela música: sonoridades caribenhas de inspiração jazz

A direção artística é de Maryline Bailly, com Philippe Baute na direção geral e Mathieu Franco na direção técnica. Na comunicação, Béatrice di Vita e Lucy Howard. Mais informações: www.jammin.jazzajuan.com

 

. Por Duda Tawil, texto e fotos, correspondente do Alma Baiana na França

Sobre o Autor

Alma Baiana

Alma Baiana

O que acontece de interessante na Bahia: cultura, sociedade, arquitetura, decoração, gastronomia, moda, entretenimento e muito mais!

Faça um comentário