Alma de Baiano

“Tia Conça”, pelo padre Alfredo Dorea

Alma Baiana
Escrito por Alma Baiana

Amanhã, 19 de fevereiro de 2021, Tia Conça completará 77 anos de idade. Espera ansiosa, naquela data, pelo seu maior presente: a segunda dose da vacina, que será aplicada nela e em todas as demais colegas residentes no mesmo abrigo de idosos onde há 10 anos decidiu morar.

“Quero voltar às minhas atividades em favor dos mais necessitados”, afirma Tia Conça, com os olhos marejados, recordando os trabalhos sociais da Instituição que os amigos e amigas batizaram com seu nome, a Instituição Beneficente Conceição Macedo, a IBCM, que há mais de 35 anos assiste pessoas em extrema vulnerabilidade, vivendo e convivendo com o HIV-AIDS. 

Na verdade, Tia Conça nunca parou. Durante a pandemia já construiu três novas casas para famílias que antes moravam nas ruas de Salvador, sem falar na assistência diária a mais de 250 pessoas vulneráveis que a ela acorrem como última possibilidade. “Se eles vêm até nós, precisam ser acolhidos”, expressa tia Conça à equipe de voluntários e voluntárias da IBCM.

Antes da pandemia, Tia Conça costumava estar diariamente na Creche da IBCM, que acolhe 74 crianças de 2 a 5 anos, vivendo e convivendo com o HIV-AIDS. Ali elas recebem assistência integral, cinco refeições, cuidados e atenção ao tratamento com os ARV . Com o isolamento social, a equipe da creche leva diariamente almoço e atividades lúdico-pedagógicas a cada uma das crianças, em suas residências, 29 das quais mantidas integralmente pela IBCM. 

“E hoje são mais de 50 cestas básicas distribuídas por dia a pessoas cadastradas que buscam a nossa sede na Rua Santa Clara do Desterro, 85, pertinho da Fonte Nova”, lembra Tia Conça, que agradece pessoalmente a cada doador e doadora que liga para o telefone da IBCM (3450-9759) ou leva até lá, de segunda a sexta, das 8h às 17h, a sua contribuição. “Sem as doações das pessoas que nos ajudam, não teríamos como ajudar tanta gente. Com esta pandemia e o fim do auxílio emergencial, a situação das pessoas empobrecidas ficou ainda mais dramática”, conclui.

Quinta-feira, a partir das 19 horas, é tempo de ir até as profissionais do sexo, na orla de Salvador. A equipe leva preservativos, gel e lanches e Tia Conça acompanha toda a ronda noturna, que se estende até meia noite, em um veículo de apoio. “Pelo menos eu vejo as meninas, faço um aceno de mão, de dentro do carro mesmo e mando um beijo para cada uma delas”, assinala Tia Conça, emocionadíssima.

São muitas as saudades nesta aniversariante, que pediu aos amigos e amigas, uma cesta básica para cada ano de vida celebrado. “77 cestas básicas vão fazer a alegria de muitas famílias; este presente eu aceito com muita gratidão”, afirma Tia Conça, enquanto mostra suas fotos atuando nos grupos de teatro e dança cigana, dos quais participa: “fazer teatro e dança me deixa muito feliz”, sublinha.

Dia 19 de fevereiro, a partir das 12h, os amigos e amigas promoverão um “grito de carnaval” virtual, via plataforma Zoom, para homenagear esta mãe, mulher, avó, que faz da sua vida um dom para todas as pessoas que têm a felicidade de encontrá-la.

Parabéns, tia Conça querida. Gratidão por sua vida em nossas vidas!

Foto: As amigas Santa Dulce dos Pobres e Tia Conça, nas Obras Sociais Irmã Dulce (Divulgação)

Sobre o Autor

Alma Baiana

Alma Baiana

O que acontece de interessante na Bahia: cultura, sociedade, arquitetura, decoração, gastronomia, moda, entretenimento e muito mais!

Faça um comentário